sábado, 31 de dezembro de 2016

SAUDANDO O ANO NOVO

 
.

.
Peça musical - El Barberillo de Lavapiés (zarzuela em 3 actos) - Prelúdio e Dança dos Estudantes
Compositor - Francisco Asenjo Barbieri (1823-1894)
Libreto - Luís Mariano de Larra (1830-1901)
Lugar de estreia - Teatro de la Zarzuela de Madrid (19 de Dezembro de 1874)
Pesquisa e apresentação - Albina de Castro
.

domingo, 25 de dezembro de 2016

LAMENTO DE DIDO (Marianne Beate Kielland)

.
Marianne Beate Kielland canta o Lamento de Dido,
da ópera Dido e Eneias (de Henry Purcell)


 


sábado, 17 de dezembro de 2016

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

MALAK AL-SHEHRI NO REINO DA ESTUPIDEZ (FACINOROSA)...





Malak al-Shehri publicou uma fotografia em que surge com um vestido colorido, um casaco e óculos de sol. Ia beber café com um amigo. Tudo isto lhe valeu valentes críticas nas redes sociais. Devido ao seu comportamento, foram apresentadas queixas à polícia religiosa. Agora, foi detida.

Malak al-Shehri tem cerca de 20 anos e vive na capital da Arábia Saudita. Numa manhã saiu de casa para tomar o pequeno-almoço e tirou uma fotografia, que publicou no Twitter. “Decidi sair sem abaya [traje completo de cor escura], vesti uma saia com um casaco elegante”, lia-se na descrição da imagem. Depois, foi ter com um amigo para “beber café e fumar um cigarro”. Estes comportamentos foram motivo de queixas à polícia religiosa. Agora, Malak al-Shehri foi detida.
Publicou nas redes sociais algo que está contra as leis”, justificou o porta-voz da polícia de Riade, Fawaz al Miman, citado pelo jornal espanhol “El Mundo”. Segundo as autoridades, além da roupa em causa está ainda o facto de Malak al-Shehri “falar abertamente sobre relações proibidas com homens que não pertencem à sua família”, acrescenta o britânico “The Guardian”.

Foi a 28 de novembro que Malak al-Shehri publicou a imagem. Muitos revoltaram-se, outros saíram em sua defesa. A jovem, acabou mesmo por apagar o tweet e, consequentemente, a sua conta no Twitter.
Na Arábia Saudita, existem regras bastante restritas quanto à forma de uma mulher se apresentar nos locais públicos. A condução e o convívio com homens que não são seus familiares estão proibidos.
Segundo o “The Guardian”, milhares de sauditas assinaram uma petição que exige o fim da lei que prevê que uma mulher esteja sempre sob a guarda de um homem. Habitualmente, quando são mais novas estão à guarda do pai ou dos irmãos e quando casam passam a ser da responsabilidade do marido. (*)
 
(*) Jornal Expresso (Diário - online) - 12-Dezembro-2016.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

LISBOA, A MAGNÍFICA (1)

(Clique nas imagens para ampliar)