quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Blake & Mortimer - O Universo Assombroso e Singular de Edgar Pierre Jacobs

.

.
Mortimer (esquerda) e Blake (direita)
.

.


.


(Olrik, símbolo do mal, eterno e terrível inimigo de B & M)
.

.
.

.


.

.

.

.

A homenagem dos Correios belgas ao autor
.

.

.
Edgar Pierre Jacobs nasceu a 30 de Março de 1904, em Bruxelas (Bélgica), ali falecendo em 20 de Fevereiro de 1987.
Desde muito novo manifestou grande fascínio pelo desenho e pelas representações cénicas.
Os seus cadernos escolares reproduzem cenas quotidianas, batalhas, pormenores arquitectónicos ou de indumentária, a par do esmero colocado na caligrafia, revelando o seu talento.
Em 1919, depois de concluir a Escola Comercial, começou por trabalhar em publicidade, então inteiramente ilustrada, realizando gravuras para puzzles, álbuns para colorir, jogos, catálogos para grandes armazéns e cartazes, actividade que desenvolveu nos anos 20.
.
Em simultâneo, Jacobs aspirava a fazer carreira na ópera, tendo começado por ser figurante numa representação de Guilherme Tell, no Teatro de La Monnaie, em 1921.
Chegou a barítono da Ópera de Lille em 1929, ano em que ganhou um grande prémio de canto.
Durante os anos em que esteve profundamente envolvido neste meio, aproveitou também para utilizar o seu talento gráfico, concebendo projectos de indumentárias e maquetas de cenários. Trabalhou durante dez anos na Ópera de Lille, até ser mobilizado em 1939, com o eclodir da Segunda Guerra Mundial.
.
Com a Bélgica invadida, em 1940, recorre ao desenho como meio de sustento.
Contactou a revista Bravo, para a qual realizou o mais variado tipo de ilustrações.
Em 1942, quando a Bravo deixa de receber as provas da muito popular banda desenhada americana Flash Gordon, Edgar foi desafiado a continuar as suas aventuras, sob o título de "Gordon l'Intrepide".
No entanto, por imposição da censura alemã, teve de concluir precipitadamente o seu trabalho, que visava dar uma hipotética continuação à história criada originalmente por Alex Raymond.
.
Entre 1943 e 1944 continuou a trabalhar em BD, tendo sido convidado pela mesma revista a desenvolver uma história que substituísse Flash Gordon.
A sua primeira BD criada de raiz foi Le Rayon "U" (O Raio "U"), que surgiu na revista Bravo, em 1943.
Uma segunda versão apareceu em 1974 na revista Tintin e em álbum da Lombard.
.
Em simultâneo, começou a colaborar com Hergé, o pai de Tintim, em 1944, quando Hergé sentiu a necessidade de redesenhar e colorir várias aventuras inicialmente saídas a preto e branco.
Assim sendo, realizou os desenhos dos cenários e a coloração das seguintes histórias de Tintim:
O Lótus Azul, O Ceptro de Ottokar, As 7 Bolas de Cristal e O Templo do Sol.
Como nota do seu bom humor, Jacobs não se coibiu de se desenhar a si próprio, a Hergé e a outras pessoas conhecidas de ambos, entre os "figurantes" de algumas histórias.
.
Em 26 de Setembro de 1946 surgiu o número inaugural da mítica revista Tintin, que ficou marcado pela estreia da série Blake e Mortimer, da autoria de Edgar Pierre Jacobs, cujos protagonistas são um capitão da força aérea ligado aos serviços secretos (Blake) e um físico apaixonado pela arqueologia (Mortimer), ambos cidadãos britânicos, cultivando toda a série um ambiente muito british de meados do século XX.
.
A história inicial da série, Le Secret de l'Espadon (O Segredo do Espadão), impôs-se rapidamente com sucesso entre os leitores da revista, acabando por ser reunida em dois álbuns, editados em 1950 e 1953, começando assim uma das séries de culto da BD europeia.
.
Depois surgiram Le Mystère de la Grande Pyramide (O Mistério da Grande Pirâmide), história também em duas partes, publicada na Tintin entre 1950 e 1954, e La Marque Jaune (A Marca Amarela), publicada em 1953.
.
Seguiram-se L'Enigme de l'Atlantide (O Enigma da Atlântida), de 1955, SOS Météores (SOS Meteoros), de 1958, Le Piège Diabolique (A Armadilha Diabólica), de 1960, L'Affaire du Collier (O Caso do Colar), de 1965, e Les 3 Formules du Professeur Sato I (As 3 Fórmulas do Professor Sato I), de 1971 - histórias publicadas inicialmente na revista Tintin e editadas posteriormente em álbum pela Lombard.
.
A publicação do segundo tomo As 3 Fórmulas do Professor Sato I foi sendo protelada até à sua morte, ocorrida em 1987.
Em 1986 criou a chancela Éditions Blake et Mortimer, que editou todos os álbuns num novo formato, com nova coloração e páginas suplementares, como sucedeu em O Segredo do Espadão, agora editado em três volumes.
.
Depois de vários problemas de saúde, que marcaram os seus últimos anos de vida, faleceu vítima da doença de Parkinson, em 1987, deixando uma obra pequena pelo número de títulos mas de inegável qualidade narrativa e plástica, que se tornou uma importante referência da BD franco-belga.
.
O derradeiro álbum, Les 3 Formules du Professeur Sato II (As 3 Fórmulas do Professor Sato II), cujos esboços deixou terminados, viria a ser concluído por Bob de Moor, sendo editado em 1990.
Em 1996, Jean Van Hamme e Ted Benoit prosseguiram a série com grande êxito, a que se juntou, mais tarde, outra dupla de autores, Yves Sente e André Juillard.
.
Em Portugal, antes da edição em álbuns, a série Blake & Mortimer foi publicada na década de 50 do século passado na revista Cavaleiro Andante, da Empresa Nacional de Publicidade (em sistema de continuação).
O mesmo ocorreria duas décadas mais tarde na revista Tintim (em português).
.
(Retirado e adaptado de Wook).

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Arte Africana (4)

(Mãe e Filho)
.
(Homem Africano)
.
(O Feiticeiro)
.
(Preocupação)
.
(Artista: Maynard Maenzanise)

sábado, 27 de dezembro de 2008

"Those Were the Days" - Nos Cartazes da Publicidade Antiga (3)

(01) - 1936 (Packard)
.
(02) - 1950 (Kohler of Kohler)
.
(03) - 1910
.
(04) - 1935
.
(05) - 1916
.
(06) - 1959 (Kohler of Kohler)
.
(07) - 1934
.
(08) - 1950 (Westinghouse)
.
(09) - 1950
.
(10) - 1959 (Edsel Corsair)
.
(11) - 1960
.
(12) - 1948
.
(13) - 1920
.
(14) - 1952
.
(15) - 1953
.

(16) - 1952
.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Grandes Quadros (Breton)

A Vindima no Château Lagrange (1864)
.
Jules Breton (França, 1827-1906)
.
(Clicar para aumentar)
.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

(Pablo Neruda) - Cinco Coisas...

.
Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim.
A segunda é ver o Outono.
A terceira é o grave Inverno
Em quarto lugar o Verão.
.
A quinta coisa são teus olhos.
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da Primavera...
para que continues me olhando.
.
(Foto de Raul Alexandre)

Arte Africana (3) - O Beijo

.
(Artista: Tizirai Gumbere - Escultura shona)
.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Grandes Quadros (Vicente González)

O Concerto (1880)
.
Vicente Palmaroli González (Espanha, 1834-1896)
.
(Clicar para aumentar)
.

domingo, 21 de dezembro de 2008

Grandes Quadros (Rembrandt)

.
A Mulher do Cordão de Ouro
.
Rembrandt (1634)
.
(Clicar para aumentar)

sábado, 20 de dezembro de 2008

Grandes Quadros (Rubens)

Marchesa Brigida Spinola Doria
.
(Rubens - 1606)
.
(Clicar para aumentar)
.

Portugueses bem pagos e portugueses mal pagos... (ou: a direita e a esquerda)

.
"Toda a gente quer perceber porque é que a maioria dos portugueses é de esquerda.
Ou: porque é que, segundo as sondagens, a maioria dos portugueses está a "virar" à esquerda (…).
.
Não há muito tempo, estudos de opinião situavam o português médio no centro-esquerda. Faziam um retrato conservador daquilo que somos em política: moderados, compromissórios, mas levemente inclinados para a esquerda pela importância que concedemos ao Estado em garantir esquemas vários de assistência social (…).
.
Se os portugueses que antes eram de centro-esquerda estão hoje ainda mais à esquerda, como explicar o fenómeno?
Verdade que a crise económica e o pessimismo que tomou conta do mundo ajudam a explicar o que se passa.
Quando se tem medo, ninguém pede por mais liberdade e independência, mas por mais segurança e protecção (…).
.
Mas eu acrescento, e já o escrevi uma vez, que se os portugueses tendem para a esquerda não é por causa de teorias.
Os portugueses são de esquerda porque, no essencial, são mal pagos.
E não são mal pagos no meio de outros igualmente mal pagos.
.
Os portugueses mal pagos trabalham todos os dias para os portugueses bem pagos.
Mesmo os muito mal pagos têm de "conviver" com os muito bem pagos.
.
E uns e outros apercebem-se da diferença (…)."
.
(Pedro Lomba – Diário de Notícias, Lisboa, 11 de Dezembro de 2008).
(Foto de J. Pedro Martins)
.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Arte Africana (2)

Chefe africano (shona)...
.

... e a sua mulher.
.
(Artista: Maynard Maenzanise)

sábado, 13 de dezembro de 2008

O Pesadelo Liberal

"Entregue a si mesmo, o homem é um animal perigoso (...)"
.
"(...) Sobre as ruínas da crença socialista, que produziu milhões de deserdados e de miseráveis, os liberais acharam que tinha soado a hora de uma vingança histórica.
O Estado mínimo, que Greenspan caucionou e Bush levou ao extremo do dogmatismo, descendo os impostos sobre os mais ricos, cortando nos programas de ajuda social e facilitando em tudo os negócios do grande capital, assentava numa outra pretensa verdade, de que Greenspan se fez eco: a de que o mercado saberia auto-regular-se, pois que era do seu próprio interesse, do das grandes empresas e do sistema financeiro, não criar as condições para a auto-implosão.
.
Mais uma vez, o que ficou esquecido neste "wishfull thinking" foi o factor humano. Se a ambição de ser mais rico é o que faz aumentar a riqueza das nações, a ambição da riqueza desmedida, sem horizonte nem controlo dos meios usados, é o que conduz ao seu colapso.
O que falhou, então, não foi apenas a crença na desregulamentação do mercado, na concentração cada vez maior das empresas, nos lucros pornográficos distribuídos entre accionistas e gestores.
.
O que falhou, antes de mais, foi a noção de ética nos negócios, a lembrança de que a criação de riqueza tem uma finalidade social, não podendo aproveitar apenas ao seu detentor, e que a riqueza fundada na miséria alheia (ou no endividamento de todos perante a banca) conduz, mais cedo ou mais tarde, à falência geral.
.
A loucura liberal montou um sistema económico à escala planetária fundado na iniquidade e na falta de escrúpulos e de sentido de serviço à comunidade.
Pior ainda, permitiu que o sistema financeiro se apoderasse da economia, que os lucros fantásticos acumulados não correspondessem a riqueza efectivamente criada e que a economia real e produtiva fosse canibalizada pela especulação.
.
Os mercados accionistas subiam e desciam, não em resultado do desempenho das empresas cotadas, mas das mais-valias realizadas pelos especuladores - que depois corriam a canalizar os seus lucros para os "off-shores", onde ficavam à espera, sem pagar impostos, de nova oportunidade de raide sobre o mercado.
As pequenas poupanças foram assim devoradas pela especulação instalada, levando muitos a investir antes no consumo ou a endividarem-se no imobiliário, por não encontrarem melhor destino para o dinheiro. (...)
.
(...) Entregue a si mesmo, aos seus instintos mais primários, o homem é um animal perigoso, quer ande pela rua a deambular de revólver na mão quer esteja sentado a uma secretária a gerir o destino de milhares de famílias.
E o pior "serial killer" é aquele a quem foi confiado o poder de destruir, por simples ambição, os empregos e as pensões de reforma de tantos outros que trabalharam toda uma vida, confiados na honestidade do sistema.
.
Não estamos apenas perante o falhanço de uma teoria económica, é mais do que isso: estamos perante um verdadeiro crime contra a Humanidade.
Milhões de pessoas em todo o mundo estão já a sofrer as consequências da falta de pudor e de escrúpulos de alguns milhares de agentes económicos colocados em lugares privilegiados. (...)
.
(...) O mundo pode começar a reencontrar o caminho da esperança, com a eleição de Obama como Presidente dos Estados Unidos.
Não, ele não tem uma varinha mágica nem vai conseguir, por melhor que tente, tirar a América e o mundo deste atoleiro tão cedo.
Mas representa outra gente, outra atitude, outra esperança.
.
Seguramente que acredita numa economia menos iníqua, menos desonesta e menos entregue à lei da selva.
E acredita na necessidade de uma América menos arrogante e menos egoísta.
Cravará os pregos que forem necessários no caixão do liberalismo e, se tiver a lucidez suficiente para tal, trará a América de volta ao lugar da esperança que já foi seu e que perdeu com estes oito anos de pesadelo que foram os de George W. Bush." (*)
.
(*) - Miguel Sousa Tavares - O Fim de um Mundo Falso - Jornal Expresso, Lisboa, 1 de Novembro de 2008.
(As marcações de texto, em itálico, são da responsabilidade da Torre).

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Arte Africana (1)

Homem Shona


Rapariga Shona
.
(Artista: Stephanie Brice)
.